Ma’at

mAat

mAat, ou ma’at (com M minúsculo) é o conceito Kemético que trata diretamente da justiça divina do fazer certo e por último da moral humana. Sua tradução pode ser tida como “verdade”, “justiça”, “ordem”, “lei” ou “aquilo que é certo”.

Enquanto Netjeret, Ma’at (com M maiúsculo) é considerada a primeira emanação de Atem ou Rá e Ela era representada como uma mulher alada ou uma mulher sem asas sentada e sempre com uma pena de avestruz branca na cabeça. Esta mesma pena era usada na pesagem do ib (coração) do morto no salão de julgamento do Duat que é chamado de “Salão das Ma’ati” ou “Salão das Duas Verdades”.

Com relação a pena não é o animal avestruz que importa, já que é um animal que só tinha mais ao sul da Africa, é a pena que é o importante. Elas eram trazidas por mercadores e eram tidas como artigo de luxo e, apesar de sua aparência de serem ultra frágeis, elas são resilientes e fortes. Você pode esmaga-las, amassa-las ou dobra-las, mas na hora em que você as solta, elas voltam a sua forma original – o que mostra muito da natureza de ma’at.

O conceito de ma’at é algo que existe e que não pode ser contido. Ma’at é a ordem cósmica que deve ser sustentado, preservado e obedecido. Ela é o grande pilar que sustenta toda a Criação e que garante que a mesma não se reverta a um estado de incriação e estagnação.

Sem ma’at não há interação, ordem e nem equilíbrio em nada. Ela é passada para nós através de Netjer que permite que possamos entende-la e preserva-la em nós mesmos e no mundo.

Ma’at cria-se a partir de ser entregue, ou seja, os Netjeru nos dá ma’at e nós entregamos de volta a Eles. Isso seja na forma de ações e pensamentos que resultam no desenvolvimento de ma’at em nosso ambiente ou seja através da oferenda literal de ma’at a Netjer. Neste prática era comum os sacerdotes ofertarem uma imagem de Ma’at dentro de uma cesta chamada de “nb” ou “neb” que representa o Todo e a totalidade do cosmos e da Criação. Este ato tinha como objetivo ofertar parte do próprio equilíbrio e verdade cósmica aos Netjeru para que Eles possam transformar isso em mais ma’at para toda a Criação.

Ma’at caracteriza-se pelo movimento! Ela cria movimento a partir das próprias ações e também se alimenta de movimento que resulta em ma’at. Ela é o mecanismo que causa a Criação continuar a existir e o Zepi-Tepi (o Primeiro Tempo) a manter-se em repetição em Djed (a eterna mudança ou eterno movimento) e em Neheh (a eterna mesmice ou eterna estabilidade).

Ao manter o equilíbrio, ma’at luta contra as formas de oposição a ela que buscam desfazer a Criação e resultar em um estado de incriação, sendo elas isfet (“caos/maldade”), gereg (“mentira”) e binet (“opressão”).

Da mesma forma como Ma’at se estabelece pelo movimento, isfet faz o mesmo pelos atos da mentira e da opressão, e quando isfet se movimenta, ela dá forças ao Incriado, aquele que dissemina isfet para causar a incriação e a destruição de Ma’at.

iu ma’at er iyet er setes
isfet djarty er ruty
.”
Ma’at irá retornar a Seu trono
pois isfet é afastado
.”
SIUDA, Tamara. The Ancient Egyptian Prayerbook, 2009

(Agradeço a Nisutundefined Hekatawy-Alexandros, Rev. Tamara Siuda, por todas as belas palavras sobre Ma’at que ajudaram no desenvolvimento desse texto)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close